Companhia das letras cursos: Música Preta Brasileira

Estão abertas as inscrições para o curso “Música Preta Brasileira”, ministrado por Acauam Oliveira. Serão 10% vagas direcionadas a alunas e alunos da Uneafro Brasil,  que ganharão bolsa integral. O curso acontecerá ao vivo por vídeo conferência no zoom dos dias 8, 10, 15 e 17 de junho, às 19hrs.
As chamadas estéticas periféricas (black music, rap, funk etc.) surgem no cenário musical brasileiro trazendo para seu interior um proceder ético e estético radical de onde emergem sujeitos, temas e formas que seriam responsáveis por ressignificar diversos códigos. Por meio deles, parcela significativa da música popular aprendeu a se reconhecer — seja por processos de neutralização de aspectos até então tido como fundamentais, revelando condicionamentos ideológicos mais profundos, seja pela potencialização de forças que permaneciam latentes.
A partir de um contexto social absolutamente adverso, mas munido com as armas próprias da cultura hip-hop e da sabedoria ancestral do movimento negro, atualizada na caminhada dos novos sujeitos marginais, a periferia foi capaz de viabilizar a existência de um conjunto de obras dotadas de grande qualidade artística, radicalidade política e posicionamento crítico sem concessões, algo que só iremos encontrar na melhor produção intelectual do país. O feito torna-se ainda mais impressionante ao considerarmos que, pelas possibilidades reais que o país oferece à população negra e pelo modo como se organizam suas instituições — espécie de “campo de extermínio a céu aberto”, na imagem precisa do Facção Central —, um fenômeno como esse poderia jamais existir.
Trata-se, pois, de um verdadeiro acontecimento, no sentido filosófico do termo: um evento que modifica as coordenadas pelas quais a música popular brasileira tradicionalmente se reconhece, ressignificando todo o tecido sociocultural ao conferir materialidade a uma voz, a rigor, impossível dentro dos padrões discursivos existentes. Avesso negro do mesmo lugar.
A partir de um conjunto amplo de perspectivas e temporalidades diversas, o curso pretende recuperar algo da radicalidade desse acontecimento cujos efeitos se fazem sentir, real e virtualmente, em múltiplas direções. Que novas vozes são essas e como dotam a si mesmas de materialidade? Quais possibilidades emergem no presente a partir da originalidade de sua articulação estética? Quais são seus principais desafios, ontem e hoje? Como sua emergência instaura novas possibilidades de inserção no futuro e o que fazer para viabilizar (ou perder de vez) seu potencial utópico? Esse conjunto radical de mudanças e possibilidades de outras formas de ser implica também em reconhecer aquilo que no passado luminosamente se ocultava mesmo à vista de todos, ou seja, nos saberes inscritos na radicalidade negra da existência, de cuja negação depende, em grande medida, a consolidação do Brasil enquanto nação — sua finalidade e seu fim.
Ao longo das aulas serão apresentados conceitos teóricos e aspectos históricos, além da análise de músicas, clipes e materiais audiovisuais diversos.
8 | junho | 2021 | 19h
Aula 1: MPB e a crise da civilização brasileira
● Fim da canção ou fim da nação?
● Música, resistência e mercado
● Mas, afinal, existe MPB?
10 | junho | 2021 | 19h
Aula 2: A fúria negra do rap nacional
● Hip-hop, cultura de rua
● A emergência do sujeito periférico
● Nova escola, velhos desafios
15 | junho | 2021 | 19h
Aula 3: O nacionalismo negro de Jorge Ben 
● O alquimista está chegando: as múltiplas faces de um anjo
● Samba de preto velho: o nacionalismo negro de Jorge Ben
● O legado do Narciso negro
17 | junho | 2021 | 19h
Aula 4: Estéticas periféricas contemporâneas ( com GG Albuquerque)
● FL Studio e tecnologias do beat
● “Quem é cria não é criado”: os procedimentos criativos do funk
● “Tuin infernal”: o pensamento sonoro da música eletrônica periférica no Brasil
ACAUAM OLIVEIRA é mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada e doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo. Professor-adjunto da Universidade de Pernambuco e do programa de pós-graduação em Letras da UPE, atualmente sua área de pesquisa envolve os campos da literatura, música popular e crítica cultural, bem como questões relacionadas a afrodescendência e relações etnorraciais. É autor da introdução do livro Sobrevivendo no Inferno, dos Racionais MC’s.
Informações técnicas
Este curso é oferecido on-line e as aulas irão acontecer ao vivo em uma reunião por videoconferência no Zoom através do Sympla Streaming. O participante deve ter idealmente um computador com câmera, microfone e acesso à internet — no celular a visualização de slides pode ficar comprometida. Além disso, é necessário instalar o Zoom no seu aparelho. O link para a transmissão será enviado por e-mail com a confirmação da inscrição. As aulas terão duração de 1h30 e a parte final da aula será direcionada às respostas das perguntas.

 

Inscreva-se:

  •  
Skip to content